Bem vindo ao blog

O Blog compartilha informações ambientais e sócio-políticas, dicas de decoração sustentável e divulgação de projetos e eventos relacionados ao meio ambiente. Qualquer dúvida, sugestão ou parceria entre em contato!

Lixões no Oceano

Há pelo menos 5 ilhas de lixo no oceano e uma delas tem tamanho equivalente aos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo juntos! Clique e saiba mais.

Veja a lista de 8 incríveis lagos rosas do planeta

Os lagos rosas têm se popularizado entre turistas e fotógrafos do mundo. Sua cor impressionante ocorre graças a presença de microalgas como a Dunaliella salina que vive em locais com altos níveis de concentração de sal.

O tabagismo e os danos ele que causa à saúde e ao meio ambiente

A fumaça e as bitucas jogadas no chão podem causar danos ao meio ambiente, como a contaminação da água, que pode ocorrer caso a nicotina e as substâncias presentes no alcatrão atinjam lençóis freáticos, rios e lagos

Faça um comedouro para passáros com materiais simples

Clique e veja mais dicas de reaproveitamento.

A importância dos alimentos orgânicos

Produto orgânico é o resultado de um sistema de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos, aditivos químicos ou modificações moleculares em sementes. Nutricionista explica qual a sua importância no nosso dia-a-dia.

2 de dezembro de 2014

Morte de 200 periquitos em Manaus é investigada e ambientalistas fazem manifestação

A suspeita é que os animais, que estavam mais vulneráveis por não poder pousar nas árvores, tenham sido envenenados

Centenas de periquitos foram encontrados mortos, na manhã da quinta-feira (27/11), na Avenida Efigênio Sales, situada na Zona Centro-Sul de Manaus. A suspeita é de que as aves tenham sido envenenadas. O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM) apura o caso.
Por volta das 10h30 desta quinta, os animais estavam caídos na pista, no sentido bairro/centro, e no meio-fio da avenida. Uma testemunha, que não quis ser identificada, relatou, ao portal G1, ter visto na noite da quarta-feira (26) um homem mexendo na árvore e no chão próximo ao local onde os animais estavam. Ela afirmou acreditar que se tratasse de veneno.
O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (IPAAM) informou, por meio da assessoria de comunicação, que uma equipe do departamento de fauna será enviada ao local para apurar a situação e apontar um diagnóstico sobre o que resultou na morte dos pássaros. Os animais serão submetidos a testes e um laudo apontará a causa exata da morte



Proteger as árvores dos pássaros?

Próximo ao local está um condomínio de alto padrão que, em 2012, instalou telas na copa de palmeiras imperiais que ficam na frente do prédio para impedir que periquitos se instalem nas árvores. A justificativa é que os animais estariam prejudicando as palmeiras, mas aparentemente o barulho dos pássaros incomodava os moradores do local. Na época a ação teve autorização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas). Na ocasião, a Semmas informou ainda que, após um mês, seria realizada a retirada das telas para verificar se as aves retornariam ao local ou se já estariam utilizando outras áreas como dormitório. Após dois anos, as telas permanecem nas palmeiras.
Os Bombeiros foram chamados na semana passada e abriram as telas. Um especialista ouvido pelo G1 afirmou que o equipamento contribui para a morte dos animais pois os deixa mais vulneráveis. Como não podem pousar nas árvores, os pássaros têm que ficar no chão e estão mais suscetíveis a atropelamentos e até envenenamentos.


Revolta

A população realizou um protesto pedindo que o crime seja apurado e os responsáveis, punidos. Foi criado também um abaixo-assinado pedindo que o Ministério Público, a Polícia Federal e o IPAAM investiguem o caso.

Mais de 100 pessoas se reuniram na Avenida Ephigênio Sales, no sábado (29/11/2014), em um protesto. Os manifestantes usaram cartazes, balões e até mesmo fantasias para chamar a atenção sobre o caso.

Fotos da manifestação de 29/11/2014 - Foto: Marcos Dantas/G1 AM
O síndico do condomínio foi notificado e ativistas exigem a criação do Instituto Municipal de Proteção à Fauna, que deverá cuidar exclusivamente das demandas relacionadas aos animais, sejam eles domésticos ou silvestres.

Fonte G1 e Catraca Livre

13 de novembro de 2014

Jovens de São Paulo realizam pequenos reparos pela cidade


Se a cidade é de todos, então não existe nada mais justo do que ajudar a preservá-la. Correto? Esta é a bandeira levantada pelo projeto “Serviços Gerais”, criado pelo artista plástico Rodrigo Machado e pelos cineastas Filipe Machado e Gustavo McNair.

Juntos nesta empreitada desde 2011, os amigos fazem pequenos consertos na cidade de São Paulo. Placa torta, piso quebrado, monumento vandalizado são alguns dos itens que recebem uma atenção especial do grupo e com pequenos reparos acabam ficando muito mais bonitos e eficientes.

A ideia por trás do projeto é mostrar à sociedade que o espaço urbano é coletivo e precisa ser cuidado por todos. Independente dos trabalhos dos órgão governamentais, é possível contribui de maneira simples para que a cidade fique bem melhor.


Os trabalhos realizados pelo “Serviços Gerais” são registrados em vídeos e ficam disponíveis no tumblr do projeto. Nas imagens é possível identificar que muitos cidadãos olham o grupo trabalhando com certa curiosidade, como se o cuidado de pessoas comuns com o patrimônio público ainda gerasse estranheza.

Os serviços prestados pelo grupo são simples, não precisam de muitas ferramentas ou habilidades específicas. Veja abaixo alguns exemplos e inspire-se a cuidar da sua cidade da mesma forma como você cuida da sua própria casa, afinal, é isso o que ela é.

 

6 de novembro de 2014

Suécia e Brasil discutem iniciativas de inovação

A Semana de Inovação Brasil-Suécia é uma oportunidade para estreitar e fortalecer a parceria estratégica entre os países, além de promover a cooperação acadêmica e industrial em inovação, tecnologia e pesquisa


São Paulo, 05 de novembro de 2014 – A Embaixada da Suécia, em parceria com a Agência Sueca de Análise de Políticas de Crescimento e o CISB – Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro, irá promover a Semana de Inovação Brasil-Suécia entre os dias 10 e 14 de novembro em Brasília, São Paulo e São José dos Campos.

Recentemente, o Governo brasileiro assinou o contrato para compra de 36 caças do modelo SAAB Gripen. De acordo com o Senhor Per-Arne Hjelmborn, embaixador da Suécia no Brasil, esse projeto de cooperação industrial significa um novo patamar na relação bilateral, ainda mais extensa e próxima, criando novas oportunidades de negócios e colaborações científicas entre os países.

Em função disso, a Embaixada da Suécia irá abrir o evento com o seminário "A parceria Sueco-Brasileira por inovação – oportunidades para uma maior colaboração no futuro”, especialmente para discutir o que implica esse projeto na relação entre os países. O objetivo é iniciar um diálogo contínuo com as empresas brasileiras que são parceiras para explorar essa oportunidade.

Essa é a terceira vez que a Embaixada da Suécia organiza a Semana de Inovação Brasil-Suécia. O diferencial dessa edição é que parceiros como a VINNOVA – Agência de Inovação da Suécia e a ABDI – Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial irão desenvolver atividades abordando esse mesmo tema. O 4° Encontro Anual do CISB também será uma das principais atrações do evento, onde os vencedores da competição “Desafio Inovador Suécia-Brasil 2015” serão premiados.

Com o intuito é estimular novas parcerias, a programação do evento ainda traz workshops abordando os seguintes temas: Transporte & Logística, Compósitos & Manufatura, Desenho e Desenvolvimento de Produtos para Inovação, Segurança Cibernética, além de Aeronáutica e Defesa. Para isso, especialistas de empresas e universidades de ambos os países irão participar para contribuir com o desenvolvimento de projetos nessas áreas.

No seminário de abertura em Brasília, participarão representantes das empresas SAAB, Volvo e Ericsson, entre outras. Já no dia 14 de novembro, a Câmera de Comércio Sueco-Brasileira (SWEDCHAM) sediará o seminário de encerramento “Da inovação ao impacto no mercado: ferramentas digitais e solução criativas”, em São Paulo.

Com o objetivo de incentivar o empreendedorismo na era digital, o seminário irá reunir empreendedores e start-ups, além de promover o encontro entre empresas suecas e brasileiras. As empresas que já estão confirmadas são: Hyper Island, Berghs School of Communication, Box 1824, iZettle, entre outras.

Participarão também da Semana da Inovação representantes do MDCI – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; do MCTI – Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação; do Finep – Inovação e Pesquisa; do BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, e o INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.


Swedish Universities Roadshow

A Semana de Inovação Brasil-Suécia também contará, entre os dias 11 e 20 de novembro, com representantes de nove prestigiadas universidades públicas suecas, as quais realizarão um roadshow em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte apresentando o “Swedish Excellence – Study in Sweden”.

As universidades participantes serão: Chalmers Tekniska Högskola, Högskolan i Halmstad, Kungliga Tekniska Högskolan, Linné Universitetet, Linköpings Universitet, Lunds Universitet, Mälardalens Högskola, Uppsala Universitet, Umeå Universitet.

Sweden Brazil Career Fair


Outro evento de destaque é o Sweden Brazil Career Fair em São Paulo, que ocorrerá no dia 13 de novembro. O encontro é organizado pela Câmera de Comércio Sueco-Brasileira (SWEDCHAM) que também colocará empresas, universidades suecas e estudantes brasileiros em contato para promover a troca de informações e potenciais vagas de empregos. Os representantes dessas nove universidades suecas estarão no Brasil para participarem do Swedish Universities Roadshow, assim como os representantes das empresas suecas: Ericsson, Tetra Pak, Scania, Volvo, Haldex, SCA, Elekta, Gunnebo, Roxtec, Education First, iZettle e Stockholm School of Economics.


Agenda da Semana de Inovação Suécia-Brasil 2014


Inauguração e seminário especial sobre colaboração futura
Quando: 10 de novembro
Onde: Embaixada da Suécia
Endereço: SES, Avenida das Nações, Quadra 807, lote 29, Brasília – DF


Workshop: Transporte & Logística
Quando: 11 de novembro
Horário: das 8h30 às 12h00


4° Encontro Anual CISB
Horário: das 13h00 às 18h00
Acesse as atividades: http://migre.me/mvweF


After fair: das 18h00 às 20h30
Onde: Blue Tree Premium
Endereço: Avenida Brigadeiro Faria Lima, n° 3989, Itaim Bibi – São Paulo – SP
Acesse o programa: http://migre.me/mvwff


Workshop: Compósitos & Manufatura
Quando: 12 de novembro
Onde: Blue Tree Premium
Endereço: Avenida Brigadeiro Faria Lima, n° 3989, Itaim Bibi – São Paulo – SP
Acesse o programa: http://migre.me/mvwhw


Workshop de Aeronáutica e Defesa
Quando: 13 e 14 de novembro
Onde: ITA – São José dos Campos - SP
Acesse o programa: http://www.cisb.org.br/bswad/

Para mais informações, acesse: www.cisb.org.br/annualmeeting/TheEvent.php


27 de outubro de 2014

5 ecobairros que ganham destaque pelo mundo

Não existe um significado único ou consenso do que seja um ecobairro, mas fica cada vez mais claro que as soluções e experiências pensadas e desenhadas na escala dos bairros estão trazendo grandes lições e tem potencial de serem replicadas em cidades inteiras.

Confira 5 inspirações pelo Mundo:

1. BedZED. Londres, Reino Unido.
BedZED (ou Beddington Zero Energia (fóssil) Development)  é um pequeno quarteirão residencial de 82 habitações, construídas no sul de Londres pelo escritório de arquitetura Bill Dunster. Esse projeto busca criar uma “comunidade com emissão zero” e alta qualidade de vida,
 já conseguiu resultados muito interessantes como a redução de 58% no consumo de água (em comparação com a média nacional), reciclagem de 60% dos resíduos 
e consumo de alimentos orgânicos em 86% das moradias.
O projeto abrange 1,7 hectares. Inclui 2 500 m² de escritórios e lojas, um espaço comunitário, um teatro, espaços verdes públicos e particulares, um centro medico-social, um complexo desportivo, uma creche, um café e um restaurante e uma unidade de cogeração .



2. Western Harbour. Malmö, Suécia.
O Distrito Sustentável do Porto Oeste ou Bo01 era um antigo parque industrial que foi transformado num modelo de desenvolvimento urbano-ecológico com mais de 600 moradias. O primeiro passo foi a recuperação do solo contaminado. Entre outras medidas, foram instalados 2 geradores eólicos de 2MW de potência, mais de 1400 m² de coletores solares e 120 m² de células fotovoltaicas.




3. Hammarby Sjöstad. Estocolmo, Suécia.
Hammarby Sjöstad surgiu nas margens do lago Hammarby Sjö, que era uma área degradada. A prefeitura decidiu recuperar a região e construir uma referência para o país e o Mundo. Uma das soluções inovadoras do bairro é um sistema de coleta seletiva de resíduos subterrâneo e pneumático que facilita a reciclagem. O bairro está conectado ao centro de Estocolmo por meio de um trem, um sistema de compartilhamento de carros e ciclovias que levam a diferentes pontos da cidade.






4. Vauban. Freiburg, Alemanha
Na antiga área militar de Vauban foi construído um bairro modelo, em que 40% dos aproximadamente 5 mil moradores, não têm carros particulares. Do total de moradias, 2 mil consomem pouca energia, além de muitas gerarem a sua própria energia por meio de fontes renováveis. Aproximadamente 20% de toda a energia elétrica consumida pelos moradores de Vauban é proveniente de placas solares instaladas pelas moradias do bairro.



5. Christie Walk. Adelaide, Austrália
No coração da cidade de Adelaide, na Austrália, há um pequeno ecobairro com 27 casas, chamado Christie Walk, que começou a ser construído em 2000. Com participação ativa de seus moradores durante todo o processo de planejamento e de execução, o bairro combina um grande número de tecnologias: aquecimento solar, telhados verdes, sistemas de captação de água da chuva, compostagem e hortas nos jardins, nas calçadas e nos balcões.



Lista: Por Ariel Kogan - Site Boas Novas

Movida Rent a Car busca equilibrar aluguel de carros e proteção ambiental.

Benefícios oferecidos pela locadora visam contribuir com sustentabilidade e neutralizar emissões de CO2 de cada locação.

Com foco em sustentabilidade, a Movida Rent a Car, locadora de carros da frota mais nova do Brasil, oferece diferenciais inovadores a seus clientes na questão ambiental.


O Movida Volt disponibiliza tecnologia que permite ao usuário carregar bicicletas elétricas na segurança de uma loja Movida enquanto aluga um carro. Este serviço está disponível em São Paulo nas unidades da Consolação e no aeroporto de Congonhas e no Rio de Janeiro na loja de Copacabana.

Alugando um carro, você também colabora com o meio ambiente por meio de outra solução oferecida pela Movida Rent a Car: a Locação Carbon Free.

Por apenas 1 real a mais na diária do cliente, a Movida se compromete a compensar a emissão de CO2 da locação plantando árvores por todo o território brasileiro. Você ainda pode acompanhar o crescimento e o plantio de suas árvores pela internet.

Para mais informações, acesse www.movida.com.br e conheça melhor estes e outros diferenciais oferecidos pela Movida Rent a Car.

16 de outubro de 2014

Relatora da ONU afirma que culpa pela falta de água é do governo de São Paulo

Publicado originalmente no site da Folha de São Paulo em 31/08/2014, mas continua atual.

Relatora das Nações Unidas para a questão da água, a portuguesa Catarina de Albuquerque, 44, afirma que a grave crise hídrica em São Paulo é de responsabilidade do governo do Estado. "E não sou a única a achar isso."

Ela visitou o Brasil em dezembro de 2013, a convite do governo federal.
De volta ao país, ela falou com a Folha na semana passada em Campinas, após participar de um debate sobre a crise da água em São Paulo.

Reservatório da represa Jaguari, em Joanópolis, parte do sistema Cantareira, com o nível baixo
Foto: Fernando Donasci / O GLOBO

A seguir, trechos da entrevista à Folha.

*
Folha - Que lições devemos tirar desta crise?
Catarina de Albuquerque - Temos de nos planejar em tempos de abundância para os tempos de escassez. E olhar para a água como um bem precioso e escasso, indispensável à sobrevivência humana
Em Singapura, no Japão e na Suíça, a água do esgoto, tratada, é misturada à água comum. É de excelente qualidade. Temos de olhar o esgoto como recurso.

No caso de São Paulo, acha que faltou ao governo do Estado adotar medidas e fazer os investimentos necessários?
Acho que sim, e não sou a única. Já falei com vários especialistas aqui no Brasil que dizem exatamente isso. Admito que uma parte da gravidade poderia não ser previsível, mas a seca, em si, era. Tinha de ter combatido as perdas de água. É inconcebível que estejam quase em 40% [média do país].

A água deveria ser mais cara? Há modelos de cobrança mais adequados do que o atual?
A prioridade tem de ser as pessoas. Quem usa a água para outros fins tem mais poder que os mais pobres, que têm de ter esse direito garantido.
Em muitos países, a água é mais cara para a indústria, a agricultura e o turismo, por exemplo. Deveria haver também um aumento exponencial do preço em relação ao consumo, para garantir que quem consome mais pague muitíssimo mais.

Que exemplos poderiam inspirar os governos?
Os EUA multam quem lava o carro em tempos de seca; a Austrália diz aos agricultores que não há água para todos em situações de emergência; e no Japão há sistemas de canalização paralela para reutilizar a água.

Qual é a importância de grandes obras como a transposição do rio São Francisco ou o sistema Cantareira?
Por várias razões, há uma atração pelas megaobras nos investimentos feitos em água e esgoto, não só no Brasil. Mas elas, muitas vezes, não beneficiam as pessoas que mais precisam de ajuda. Para isso são necessárias intervenções de pequena escala, que são menos "sexy" de anunciar.

Os lucros da Sabesp hoje são distribuídos aos acionistas. Como a senhora avalia isso diante da crise hídrica?
A legislação brasileira determina que uma empresa pública distribua parte do lucro aos acionistas. Mas uma coisa é uma empresa pública que faz parafusos, outra é uma que fornece água, que é um direito humano. As regras deveriam ser diferentes.

O marco normativo dos direitos humanos determina que sejam investidos todos os recursos disponíveis na realização do direito.
No caso de a empresa pública prestar um serviço que equivale a um direito humano, deveria haver maior limitação na distribuição dos lucros aos acionistas.
Em São Paulo, pela perspectiva dos direitos humanos, os recursos deveriam estar sendo investidos para garantir a sustentabilidade do sistema e o acesso de todos a esse direito.
A partir do momento em que parte desses recursos são enviados a acionistas, não estamos cumprindo as normas dos direitos humanos e, potencialmente, estamos face a uma violação desse direito.

Seria o caso de se decretar estado de calamidade pública?
A obrigação é garantir água em quantidade suficiente e de qualidade a todos. Como se chega lá são os governantes que devem saber.

A senhora sobrevoou o sistema Cantareira e disse ter visto muitas piscinas no caminho. O que achou disso?
A situação é grave. Isso foi algo que me saltou à vista.
Quando aterrissei no Egito para uma missão, tendo ciência da falta de água que existe no país, vi nas zonas ricas do Cairo uma série de casas com piscinas e pessoas lavando carros. Quem tem dinheiro e poder não sente falta de água.
O que talvez seja um pouco diferente na situação de São Paulo é que, pela proporção que a crise tomou, ela poderá atingir pessoas que tradicionalmente não sofrem limitação no uso da água - e isso é interessante.

Que efeito isso pode ter?
Pode levar a uma mudança de mentalidade, a uma pressão por parte de formadores de opinião no Estado de São Paulo para que haja melhor planejamento e uma gestão sustentável da água.
Quando os únicos que sofrem com a falta de água são pobres, pessoas que não têm voz na sociedade, as coisas não mudam.
Quando as pessoas que são ameaçadas com a falta de água são as com poder, com dinheiro, com influência, aí as coisas podem mudar, porque eles começam a sentir na pele. Pode ser uma chance para melhorar a situação. As crises são oportunidades.
Veja a notícia em que os vizinhos do governador no Morumbi (bairro nobre de São Paulo) reclamam de falta de água.
Reportagem de Lucas Sampaio - Folha de São Paulo


Para se manter informado:


  • Recentemente houve um outro exemplo de descaso por parte do governo, foi divulgada uma gravação de conversa entre a presidente da Sabesp Dilma Pena e o um vereador participante na CPI que investiga a falta de água e a classificaram como "teatrinho". Demonstrando que é provável que os culpados pela crise hídrica no estado saim impunes.






2 de outubro de 2014

Documentário Obsolescência Programada

Um documentário pra entender como os produtos são projetados e construídos para durarem pouco já há um bom tempo (não são só os smartphones) e como essa "regra" do sistema gera lixo para o planeta.


Referências:
[1] "Basic Income" uma alternativa implementável hoje - http://www.zeitgeistportugal.org/capi...
[2] "Uma Introdução a uma Economia Baseada em Recursos" outra alternativa ao mundo de hoje, mais completa - http://www.youtube.com/watch?v=B56QvD...
[3] "Não foi o capitalismo que causou o aumento da tecnologia e da população, mas sim o acesso a energia em abundância (combustíveis fósseis)" - referência parcial: http://en.wikipedia.org/wiki/Peak_oil
[4] "até 90% das pessoas são influenciáveis pelo sistema (ambiente à sua volta) pra fazerem coisas horríveis" : http://www.ted.com/talks/philip_zimba...

26 de setembro de 2014

10 plantas mais incríveis do mundo

1 - A Planta mais resistente do mundo
Welwitschia mirabilis
Ela é encontrada só no deserto do Namibe, em Angola. É uma planta rasteira, formada por um caule lenhoso que não cresce, uma enorme raiz aprumada e duas folhas apenas, em forma de fita larga, que continuam a crescer durante toda a vida da planta. Com o tempo, as folhas podem atingir mais de dois metros de comprimento e tornam-se esfarrapadas nas extremidades. É difícil avaliar a idade que estas plantas atingem, mas pensa-se que possam viver mais de 1000 anos. Sobrevive por até 5 anos sem chuva.
Foto: Octávio Mateus

2 - A Vênus Carnivora
Dionaea muscipula
É a mais famosa entre plantas carnívoras. come pequenos insetos e aracnídeos, sua armadilha é bastante veloz - fechando em menos de um segundo.



3 - A Flor mais larga do mundo
Rafflesia arnoldii
Além de ser uma das flores mais raras e exóticas, também é a flor mais larga do mundo. Pode ter um metro de diâmetro e pesar entre 6 a 11 kg. Nativa das ilhas de Sumatra e Bornéu, na Indonésia.
A planta é um parasita que sobrevive sugando nutrientes das raízes de uma árvore chamada Tetrastigma. Portanto, não possui folhas, caule, raiz, e nem realiza fotossíntese. Exala um odor semelhante a de carne podre (motivo de ser conhecida também como planta cadáver), que atrai moscas, sendo este o inseto responsável por sua polinização.


4 - A planta da vergonha
Mimosa pudica L.
Conhecida como planta da vergonha, ou dormideira, suas folhas se dobram para dentro quando tocadas e voltam a se abrir minutos depois. Algumas outras plantas também possuem essa sensibilidade chamada de sismonastia: Na base de cada folhinha, existem células capazes de perder água com grande rapidez. Isso acontece quando a planta recebe um estímulo externo - o toque, por exemplo. Nesse caso, dois elementos químicos presentes em seu organismo - potássio e cálcio - direcionam a água para um espaço entre as células. Isso faz com que elas murchem, encolhendo as folhas.


5 - A planta da ressurreição
Selaginella lepidophylla
É uma espécie de planta nativa do deserto de Chihuahua (na fronteira entre EUA e México). Pode ficar centenas de anos esperando por uma chuva, e quando exposta a umidade ela "renasce" e se desenrola. As gotas que caem da chuva espalham sua semente para a reprodução.



6 - A maior carnívora do mundo
Nepenthes rajah
A Nepenthes rajah chega a 50 cm de altura e se alimenta de insetos e aracnídeos, mas pode prender pequenos vertebrados, sapos que ficam presos em seu formato de jarra e morrem afogados no seu líquido. Não se alimenta dos pequenos mamíferos mas os atrai para que eles depositem seus dejetos nela (cocô). Vive nas florestas úmidas nas ilhas de Bornéu, na Asia. Ela é classificada como uma espécie em perigo pela IUCN.


7 - A maior arvore do mundo
Sequoiadendron gigantea
As sequoias-gigantes são as maiores árvores do planeta. Ela atinge em média 50–85 m de altura, e 5–7 m em diâmetro. A sequoia-gigante mais velha conhecida possui 4.650 anos de idade e se encontra no Parque Nacional da Sequoia, na Califórnia. No livro dos recordes consta como a árvore de maior volume uma sequoia encontrada na Califórnia, Estados Unidos, apelidada de General Sherman com 82,6 metros de altura e 25,9 de diâmetro.


8 - A árvore que parece ter saído de um filme
Dracaena draco L
Conhecido também como dragoeiro, ou em inglês "Dragon's Blood Tree" (árvore sangue de dragão). Seu nome se deve a cor da sua seiva que oxidada pela exposição ao ar se torna vermelha. Nativa dos arquipélagos das Canárias, Madeira e Açores, ocorrendo localmente da costa africana vizinha e em Cabo Verde. Encontra-se vulnerável no estado selvagem devido à destruição do seu habitat.

Fonte National Geographic

9 - A planta que cresce mais rápido
Phyllostachys edulis
Originária da China, essa espécie pode crescer até 1,21 metros por dia. "O segredo é que o bambu, ao contrário da maioria dos vegetais, não cresce apenas nas pontas. Ele estica também entre um gomo e outro. Existe uma razão especial para isso: toda planta possui na ponta do caule um tecido responsável por seu crescimento, chamado meristema apical. O bambu leva vantagem porque além desse tecido, ele possui outro, o meristema intercalar, que produz novas células para o aumento dos gomos. "Por isso, a distância entre eles vai aumentando até ficarem maduros", diz o agrônomo Lázaro Peres, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da USP.



10 - A árvores mais gorda/Larga
Taxodium mucronatum
Conhecida como a árbol del tule, fica em Santa María del Tule, em Oaxaca - México, possui 58 metros de circunferência e 14 metros de diâmetro. Com altura de 42 metros e peso de 636 toneladas. Cada ramo poderia ser uma árvore independente. É tão grande que os cientistas originalmente pensaram que se tratavam de vários troncos fundidos, mas os testes de DNA provaram o contrário.


Lista publicada originalmente no Discovery Brasil

25 de setembro de 2014

UM JEITO NOVO E SUSTENTÁVEL DE PEGAR CARONAS - Conheça a plataforma TRIPDA


Ser sustentável é desfrutar adequadamente e de forma responsável dos recursos naturais à nossa disposição, permitindo que futuras gerações também possam satisfazer suas próprias necessidades. A sustentabilidade é um dos pilares centrais da Tripda que atua em suas três dimensões: ambiental, econômica e social.
A nova plataforma de caronas, Tripda (www.tripda.com.br), é um sistema compartilhado de caronas, a qual as pessoas podem tanto oferecer quanto pegar caronas para qualquer lugar do Brasil. O site funciona da seguinte maneira: para se cadastrar você deve se logar na plataforma utilizando seu Facebook e, em seguida, completando as informações adicionais.
Para quem deseja “procurar carona” é muito simples, basta colocar seu local de saída e para onde pretende ir, seguido da data e clicando em pesquisar. O site vai mostrar todas as caronas e rotas disponíveis com um preço sugerido pelo site, informações, avaliações dos motoristas e horários. Ficando o seu critério escolher a carona que melhor se adapta a sua necessidade. Quando escolhida a carona, você deve reservar e aguardar a confirmação do motorista através de um e-mail e SMS de confirmação deste.
Caso você tenha carro e deseja reduzir custos e compartilhar lugares vagos no carro, basta entrar no site e clicar em “oferecer carona” você vai preencher as informações da viagem, como local de saída, chegada, horário, se é uma carona recorrente ou não, lugares disponíveis, informações complementares sobre suas preferencias e informações do carro, confirmar a oferta da carona e só aguardar que a Tripda lota seu carro.
Viajar de carona com a Tripda é mais barato do que pegar ônibus e avião, além de ser rápido, confortável e interativo.
Sobre questões de segurança: a Tripda se preocupa tanto com quem oferece, quanto com quem pega carona, e por isso o cadastro no site se deve através do Facebook. Após cada viagem, tanto quem ofereceu quanto quem pegou carona poderá avaliar um ao outro, tornando a experiência ainda mais segura e positiva.
Em breve todos os usuários vão poder desfrutar do aplicativo no celular, saiba mais sobre a plataforma e não deixe de oferecer ou pegar uma carona: www.tripda.com.br !

O sistema de carona solidária é cada vez mais importante nas grandes cidades para reduzir os congestionamentos e diminuir emissão de gases e poluição do ar, necessidade de cada vez mais estacionamentos, também permite interagir com novas pessoas, economizar, e tantos outros benefícios (tanto para o passageiro, quanto para o motorista). Muitos países como EUA, Canadá e União Europeia tem incentivado essa prática.
A plataforma do site Tripda é bem intuitiva, fácil de usar e possui no seu cadastro a opção de suas preferencias: como fumar, comer, tolerância a músicas ou levar animais no carro.
Site Tripda: Pesquisa de caronas.

19 de setembro de 2014

Recuperação de rios através de jardins flutuantes


E se fosse possível recuperar rios poluídos gastando pouco dinheiro? Essa é a ambição do sistema de tratamento de água ecológico que pode ser instalado em rios, canais e lagos contaminados. Criado pela empresa escocesa Biomatrix Water, a tecnologia já despoluiu o canal Paco, da cidade de Manila, nas Filipinas.

Além de melhorar a qualidade da água e aumentar a biodiversidade aquática, o sistema revitalizou a paisagem do canal filipino, que antes era destino final de lixo e esgoto. Isso porque usa “jardins flutuantes”, que são ilhas artificiais, de aproximadamente 110 m², cobertas por plantas aquáticas capazes de filtrar poluentes.

O sistema ainda tem outra vantagem: o custo da despoluição é menor do que a metade do que gastam estações de tratamento de águas residuais convencionais, segundo a empresa. Isso é possível graças à integração e ativação do ambiente fluvial circundante.

No vídeo abaixo, saiba como funciona:

O processo de descontaminação também dependeu de outros dois fatores: de obras de infraestrutura para evitar o despejo de resíduos no local e da instalação de um reator capaz de adicionar ar à água e introduzir no ecossistema uma bactéria que se alimenta de poluentes.

Abaixo, veja imagens de como era o canal antes da revitalização e de como ele ficou depois que a comunidade local se engajou na sua recuperação por meio do sistema de tratamento:
Antes
 
Depois

Fonte: Planeta Sustentável e A menina do dedo verde

13 de setembro de 2014

16-set Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio: ela poderá estar recuperada até 2050 porém devemos continuar alertas

Nosso planeta possui um escudo protetor chamado Camada de Ozônio. Essa camada está localizada na estratosfera, a 25 km de distancia da superfície terrestre e é composta pelo gás ozônio. Sem essa proteção, a Terra seria um lugar praticamente inabitável, pois o ozônio é a única substancia que absorve a radiação ultravioleta nociva proveniente do sol (raios UVB).
No dia 16 de setembro é celebrado o Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio, uma data instituída pela Organização das Nações Unidas no ano de 1994, em comemoração ao Protocolo de Montreal assinado em 1987 por 46 países que se comprometeram a diminuir produção de clorofluorocarbono (CFC) – um dos principais gazes contribuintes para a deterioração da camada de ozônio, utilizados em aerossóis e determinados eletrodomésticos.

Pela primeira vez em décadas, a camada de ozônio caminha para ser plenamente recuperada, depois de uma importante deterioração. Ela pode estar completamente reconstituída até 2050, com um forte impacto sobre as condições climáticas no Hemisfério Sul. O buraco sobre a Antártica deve começar a se reduzir a partir do ano de 2020. A constatação foi publicada nesta quarta-feira, 10, pela ONU, depois de realizar por quatro anos um estudo com 300 cientistas, inclusive brasileiros.

Em 2010, o informe apontava que não havia qualquer tipo de sinal de melhoria. Agora, a entidade comemora a descoberta e alerta que a recuperação apenas foi garantida graças a uma cooperação internacional. O mesmo modelo, segundo a ONU, deve ser usada como exemplo para os futuros acordos entre governos para lidar com o clima.

A camada de ozônio protege a terra de raios ultra-violetas emitidos pelo sol e, diante da emissão de diversos gases, estava perdendo sua força com a formação de buracos que chegaram a ter a dimensão de verdadeiros continentes. "Mas diante de certos indicadores positivos, a camada de ozônio deve se reconstituir até meados do século", comemorou o diretor-executivo do Programa da ONU para Meio Ambiente, Achim Steiner.

Segundo ele, até 2050 a projeção aponta que a camada poderá voltar a seus níveis de 1980, data que serve de referência. O auge do problema foi identificado em 1993. Agora, a constatação é de que, a cada ano, a concentração de gases nocivos tem caído em 1%. A previsão é de que, diante desse cenário, 2 milhões de casos de câncer de pele conseguiram ser evitados até 2030.

Se todas as emissões de gases foram interrompidas, a camada estará recuperada no ano de 2039, um cenário que os cientistas admitem que não é mais realista. Nem todas as regiões reagirão da mesma forma. As taxas estarão recuperadas antes da metade do século em latitudes médias e no Ártico.

Sul

A situação na Antártica ficará para um período um pouco mais tarde. O buraco continua a se formar a cada primavera e isso deve continuar pela maior parte do século. Isso porque, mesmo se as emissões de substâncias pararam, o acúmulo na atmosfera ainda terá um impacto.

No Hemisfério Sul, o buraco provocou importantes mudanças no clima durante o verão, com altas nas temperaturas da superfície, impacto nas chuvas nos oceanos. A Península Antártica também se transformou no local com a mais rápida elevação de temperatura do mundo. Em 2006, o buraco sobre o Polo Sul alcançou um recorde diante de um inverno especialmente frio. No total, a camada foi afetada em 29,5 milhões e quilômetros quadrados.

Pelas novas constatações, os cientistas apontam que o tamanho do buraco não vai mais se expandir. "A expansão do buraco como vimos durante anos não deve mais ocorrer", declarou Geir Braathen, principais cientista da Organização Meteorológica Mundial. "Talvez teremos mais dez anos de estabilidade e, a partir de 2020 ou 2025, ele começará a fechar", explicou.

O impacto disso será uma reversão no ritmo de aquecimento na Península Antártica. Já na América do Sul, essa tendência será confrontada com a previsão do aquecimento da região por conta das mudanças climáticas.

Para os cientistas, o que garantiu o resultado foi a aplicação do Protocolo de Montreal que, em 1987, estabeleceu regras para o uso de certos produtos, como o CFC, usados em geladeiras e aerossóis. O acordo foi fechado depois que se constatou que, em todo o mundo, a camada sofreu uma forte diminuição de seu tamanho em toda a década de 80 e parte dos anos 90.

Desde então, as emissões de CFC foram reduzidas em 90%, cinco vezes superior ao que se pede para a redução de CO2 no Protocolo de Kyoto. Como resultado, as regras de 1987 conseguiram estabilizar a perda da camada de ozônio a partir de 2000 e, agora, ela começa a aumentar.

Alerta

Mas o informe também alerta para a rápida elevação de certos produtos que passaram a ser usados como substitutos para os gases proibidos. Segundo os cientistas, esses novos produtos também podem produzir gases de efeito estufa, como o HFC.

Os dados mostram que o ritmo de expansão é de 7% ao ano. "Essas substâncias vão contribuir de forma importante às mudanças climáticas e o aquecimento do planeta", alertou Geir Braathen. A ONU e os cientistas pedem que esse produto seja abandonado e substituído por elementos menos nocivos.

Os cientistas também apontam que o futuro da camada de ozônio na segunda metade do século ainda dependerá da concentração de CO2 e metano, que continuam a aumentar. "O que está em jogo é muito importante ainda", alertou Steiner. "Mas o sucesso no caso da camada de ozônio deve servir como exemplo para a negociação de acordos sobre o clima. Temos as provas sólidas da importância da cooperação para garantir a proteção de nosso patrimônio comum", alertou.

Seu recado tem um destino claro: as negociações sobre um acordo climático, marcadas para o dia 23 de setembro em Nova Iorque.

Fonte: Exame

Festival 4 Elementos - Meio ambiente, permacultura, cultura de paz e muito mais na região de Bauru


A primeira edição do 4 Elementos traz uma inovação que acontece na cidade de Piratininga: reunir em uma grande festa, pessoas e grupos que trabalham com os ideais de Cultura de Paz, educação para autonomia, medicina holística, produção local, comércio justo, permacultura, empreendedorismo social, resgate e preservação da cultura local e regional, arte livre e artesanato.

De 19 a 21 de setembro/2014, será proporcionado um ambiente onde famílias, crianças, jovens, adultos e idosos poderão desfrutar de 52 horas de atividades multiculturais vinculadas à arte, cultura e sustentabilidade. A intenção é envolver todos através da arte e de uma proposta holística, em um grande espaço onde acontecerá atividades intergeracionais simultâneas. O festival 4 Elementos trará um ambiente com shows e cerimônias musicais de talentosos e reconhecidos grupos, apresentações artísticas, circenses e danças circulares. Não ficam de fora exposições de galerias de artes vindas de renomados artistas e de crianças que participarão do concurso Brotando Artes do Cerrado. Também será proporcionado um espaço de cura para massagens e tratamentos energéticos e espirituais, além de um espaço para palestras e outro exclusivo para as mães. Simultaneamente, haverá também oficinas de aprendizagens e percepções para os participantes. Os espaços específicos foram criados e programados para receber crianças, jovens, adultos e idosos.

Veja abaixo algumas das atividades:



Intrínseco e paralelo ao Festival 4 Elementos, está sendo promovido o concurso “Brotando Artes do Cerrado”, que é uma proposta de concurso que visa selecionar obras artísticas de estudantes de escolas públicas e particulares que possuam idade entre 6 e 18 anos. O custeio deste concurso será feito por financiamento público através do Convite Solidário que será vendido pelo valor de R$ 100,00. A quantidade de obras selecionadas para exposição será a quantidade de Convites Solidários vendidos. A pessoa ou organização que comprar o convite terá o agradecimento da doação com seu nome/marca inserido em um certificado junto à arte da respectiva criança, um banner e em uma linda cerca de bambu que envolverá a escultura 4 Elementos que será exposta durante o evento, além de entrar para a lista de colaboradores no site do Festival 4 Elementos.

Para a estadia no encontro, haverá área para camping, estacionamento, cozinha coletiva e redário, além dos espaços de alimentação vegetariana e vegana e Feira Livre. Complementando toda a estrutura, o evento possuirá o Palco Primavera, área Chill Out, Fogueira, Tenda de Cura, Tenda do Circo, Tenda das Mães, Espaço para Crianças e Cineminha.

A programação conta com mais de 100 atrações:
+ de 40 oficinas (Of.) – transmissão de conhecimento através da prática
  + de 20 Trocas de Ideias (TI) – palestras de 20 minutos, seguida de roda de conversa
+ de 50 atrações artísticas, musicais, teatrais e circenses
cerimônias sagradas, indígenas, de amor à terra, e muito mais...
Confira a programação completa em: http://4elementos.webs.com/programa-ao-2

O 4 Elementos será sediado no clube Thermas de Piratininga, localizado a 10km do Centro de Bauru, na Rodovia Elias Miguel Maluf, km 01. Para participar, os interessados devem realizar a compra dos convites através da Loja Virtual e dos pontos de venda.
Para mais informações visite: 

Dica para as futuras mamães: na programação de sábado tem troca de ideias sobre Partos Naturais e Ginecologia Natural.

1 de setembro de 2014

Instituto Ecofuturo disponibiliza conteúdos referenciais em educação socioambiental

De acordo com o ranking de competitividade mundial do IMD (escola suíça de negócios), o elemento mais importante para um país gerar desenvolvimento e melhorar condições concorrenciais é a educação. O Instituto Ecofuturo, no ano em que comemora 15 anos de atividades, tem este tema como fator motivador de sua criação – educação e meio ambiente são conceitos indissociáveis e apenas cidadãos críticos podem gerar mudanças necessárias.

Ao longo destes anos, o Ecofuturo, OSCIP que tem a Suzano Papel e Celulose como sua principal mantenedora, incentiva ações transformadoras, contribuindo para o fortalecimento das práticas de leitura e escrita como atividade individual e social, e para a conservação do meio ambiente por meio do desenvolvimento de projetos para áreas de reserva florestal que, fundamentados no modelo bem sucedido de gestão do Parque das Neblinas, estabelecem estratégias de educação ambiental, restauração, pesquisa, manejo florestal e envolvimento comunitário.

Assim, acreditando que a educação se constitui num dos instrumentos fundamentais para tornar as pessoas capazes de tomar atitudes que podem mudar o presente e o futuro, o Instituto Ecofuturo lança um novo portal, onde estão reunidas, em um único espaço interativo e multimídia, vídeo-oficinas, podcasts, publicações e pesquisas nacionais e internacionais sobre os temas educação e meio ambiente, além de todos os materiais referenciais criados desde 1999.  

O novo portal, patrocinado pela Valmet Corporation, além de caminhar na mesma velocidade dos tempos atuais, propõe a educação socioambiental como tema de interesse geral e responsabilidade de todos. Trata-se, portanto, de uma referência não apenas para professores, pedagogos e acadêmicos, mas jornalistas, gestores públicos, estudantes pais e curiosos.

E para evidenciar a sintonia de suas atitudes em todas as facetas, o Ecofuturo adota uma nova identidade visual, mais moderna, mais inclusiva, mais próxima das pessoas.
O Instituto Ecofuturo parte do princípio de que o domínio da linguagem permite ao homem acessar os conhecimentos necessários para a sustentabilidade de todas as vidas. E essa consciência está presente em cada reserva ecológica, cada publicação e biblioteca e agora, ainda mais forte, no novo portal.

Sobre o Ecofuturo:
O Instituto Ecofuturo é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) que tem a Suzano Papel e Celulose como sua principal mantenedora. Realiza a articulação entre a sociedade civil, o poder público e o setor privado buscando contribuir para a expansão da consciência socioambiental, por meio do compartilhamento de conhecimentos, práticas de cuidado e mensuração de impactos.
Acredita que é a partir da integração do homem com a natureza, do entendimento de sua relação com o todo, que intenção se transforma em ação, em atitude, para mudar o presente e o futuro para melhor.
Está nas ações locais, no pedaço de chão de cada um, a chave para a sustentabilidade e o cuidado com todas as vidas.

Sobre a Valmet Corporation:
A Valmet Corporation é uma líder global no fornecimento e desenvolvimento de serviços e tecnologia para os segmentos de celulose, papel e energia. Nossos 11.500 profissionais ao redor do mundo trabalham próximo aos nossos clientes e estão comprometidos a promover melhorias em seu desempenho  – todos os dias.
Os serviços da Valmet abrangem desde manutenção e peças de reposição a melhorias em fábricas. Nosso escopo de fornecimento inclui fábricas de celulose completas, linha de fabricação de papel, cartão e tissue, bem como plantas para geração de bioenergia.
A empresa atua há mais de 200 anos no setor e renasceu a partir da cisão dos negócios de celulose, papel e energia da Metso Group em dezembro de 2013. As vendas líquidas da Valmet em 2013 somaram aproximadamente 3 bilhões de euros. O objetivo da Valmet é se tornar campeã global no atendimento aos clientes.

http://www.ecofuturo.org.br/ 

8 de agosto de 2014

09 de Agosto - Dia Interamericano de Qualidade do Ar, Como está o Ar que respiramos?

O Dia Interamericano de Qualidade do Ar, celebrado anualmente na segunda sexta-feira do mês de agosto, é uma data destinada a conscientizar a população a respeito da contaminação atmosférica e de seus efeitos na saúde pública.
Criada pela Associação Interamericana de Engenharia Sanitária e Ambiental (a AIDIS), a data é celebrada simultaneamente em 32 países da América Latina e Caribe. Seu lançamento foi feito em 9 de agosto de 2002, na cidade brasileira de São Paulo, pelo presidente da entidade, Carl-Axel P. Soderberg.

Foto: Marcia Hirota

Como é o ar que você respira?

Texto de Márcia Hirota para Mercado Ético

Uma das coisas mais legais de termos a sede da Fundação SOS Mata Atlântica na Avenida Paulista, um dos pontos mais altos da cidade de São Paulo, é poder fazer uma pausa no final da tarde e passar uns minutinhos olhando pela janela. A cada dia, é um pôr do sol mais bonito que o outro, principalmente nesse período mais seco, quando o entardecer fica ainda mais avermelhado e surge uma variedade de tons entre o azul e o amarelo. A parte ruim é que essa beleza toda não é algo a ser comemorado, pois está relacionada à grande quantidade de poeira na atmosfera. A equação é simples: quanto mais bonito o entardecer, provavelmente mais impróprio estará o ar da cidade.

Se a interferência dessa poluição estivesse apenas no colorido do céu, menos mal. Mas o que do lado de dentro da janela embeleza os olhos, do lado de fora entope o nariz, irrita a garganta, prejudica a pele e é assunto a ser levado a sério, pois afeta diretamente o bem-estar, a qualidade de vida e principalmente a saúde de quem vive nessas áreas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), só em 2012, a poluição atmosférica foi responsável pela morte de 3,6 milhões de pessoas no mundo.

No Estado de São Paulo, a poluição do ar matou mais de 17 mil pessoas em 2011. Na capital, que tem duas vezes e meia mais poluição que o máximo recomendado pela OMS (10 microgramas por metro cúbico) foram 4.655 óbitos, número três vezes maior que o de mortes no trânsito (1.365) no mesmo período. Crianças, idosos e adultos com doenças cardiorrespiratórias prévias são as principais vítimas. Os dados são do levantamento Avaliação do impacto da poluição atmosférica sob a visão da saúde no Estado de São Paulo, realizado pelo Instituto Saúde e Sustentabilidade em 2013.

Dados como esse evidenciam como o monitoramento é fundamental para manter a qualidade do ar segura para as pessoas. Desde 1989, é obrigatório no país o acompanhamento dos níveis de qualidade do ar, por meio do Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar (PRONAR), e a comparação com os padrões estabelecidos pela OMS. Passados 25 anos, apenas 1,7% dos municípios brasileiros são cobertos pelo monitoramento, sendo que 79% desse total está na região Sudeste, como aponta o Instituto Saúde e Sustentabilidade. Já o Instituto de Energia e Meio Ambiente aponta que apenas 12 Estados fazem monitoramentos com alguma periodicidade, porém ainda há problemas na maneira como os dados são coletados e apresentados.

Nós, na SOS Mata Atlântica, já fizemos uma campanha para alertar a população sobre a importância desse monitoramento. Em 1996, lançamos o “Respira São Paulo”, uma campanha na qual distribuímos lençóis brancos acompanhado de uma tabela de cores correspondentes aos níveis de poluição. A ideia era que as pessoas colocassem o lençol nas janelas de suas casas e escritórios para acompanhar sua mudança de coloração e, assim, medir a poluição em diversas regiões da cidade. Obviamente, não demorava muito para os lençóis passarem de branco para diferentes tonalidades de cinca e marrom. Em 2011, a TV Globo lançou em parceria conosco a campanha RespirAR, na qual adotou a mesma metodologia e fez um grande trabalho de informação e educação ambiental em vários bairros de São Paulo.

As razões de tantas partículas em suspensão no céu já são velhas conhecidas, como a emissão de gases pela indústria e, claro, o grande vilão: os automóveis. No caso de São Paulo, para ser mais precisa, os 7,6 milhões de carros, motos, ônibus e caminhões presos e suas fumaças pretas nos congestionamentos. E as soluções também não são novidades: investimento em transporte coletivo, menos carros nas ruas e aumento da cobertura vegetal – que contribui para a redução da poluição – são prioridades.

Pode ser difícil de acreditar, mas São Paulo já foi muito rica em vegetação, com extensas florestas de Mata Atlântica que formavam uma paisagem única. Hoje, resta 18% de cobertura vegetal nativa – em grande parte florestas secundárias – e o que sobrou ainda está mal distribuído. Temos grandes áreas verdes nos extremos norte e sul – os pulmões da cidade; outras áreas públicas, em praças e parques, como é o caso do Ibirapuera ou próximo ao Zoológico. Alguns bairros também são bem arborizados, mas boa parte das regiões, como as áreas centrais – no Brás e na Mooca, por exemplo – a paisagem é de completa aridez.

Nesse sentido, a presença das árvores na cidade e nos bairros faz toda a diferença. Elas aumentam o conforto térmico e o nosso bem-estar, além de deixar o ar mais puro e menos seco. Consequentemente, quem vive nos bairros com poucas ou nenhuma árvore acaba respirando um ar ainda pior. Na sua cidade, ou no seu bairro, como é o ar que você respira?

* Marcia Hirota é diretora-executiva da Fundação SOS Mata Atlântica.

25 de julho de 2014

26 de Julho - Dia Mundial dos Manguezais


Os manguezais são considerados como floresta a beira do mar, onde águas de rios desaguam no mar e o regime de marés determina ausência ou presença destes.
"O manguezal é fruto do namoro entre o rio e o mar. Quando o rio vem beijar o mar, nasce o manguezal"
Os manguezais são ambientes estuarinos especiais, caracterizados por apresentarem densa vegetação de halófitas (plantas que vivem em condições salinas). A densidade das espécies de mangues (Avicenia schaueriana, A. germinans, Laguncularia racemosa, Rhizophora mangle) e as condições naturais dos estuários dão aos manguezais uma condição única de uma eficiente "armadilha de nutrientes"; aí, a decomposição da matéria orgânica é feita por bactérias anaeróbicas que, desprendendo grande quantidade de ácido sulfúrico (H2S), conferem odor característico a estes ambientes.

A maioria dos nutrientes dissolvidos permanece presa neste estuário (em função de um maior tempo de residência), em vez de ser carregada para o mar, criando condições para que funcione como um "berçário" para espécies que têm valor comercial, como os camarões, lagostins, moluscos e peixes.

Infelizmente hoje grande parte da população vê este ecossistema como um lugar fétido, sujo, insalubre e sem utilidade agrícola. Tal posicionamento resulta em desmatamento, aterramento e drenagem dos manguezais, com a morte de milhares de espécimes.

Principais desafios:

Ocupação humana
A ocupação imobiliária deste ecossistema ocorre de duas formas. Geralmente classes financeiramente estáveis desmatam, aterram e ocupam este ambiente pela boa localização, afinal manguezais ficam de frente para uma área marítima tranqüila, com visão paradisíaca e sem vizinhança. Por outro lado, as classes miseráveis, por reflexo dos problemas sociais, vão para este local por falta de opção de moradia e constroem casebres sem infra-estrutura, sofrendo com as intempéries da região.
Contudo, não é só a ocupação do manguezal em si que resulta em muitos problemas, a intensa utilização das regiões próximas geralmente é acompanhado de aumento no despejo de resíduos, o que leva a um grande desequilíbrio neste ecossistema. Historicamente, o descarte de resíduos (esgoto e lixo) é feito em rios e mares. Tal posicionamento atinge diretamente este ecótono (ambiente de transição). Muitas cidades brasileiras construíram ou ainda constroem lixões e aterros sanitários em manguezais, acreditando que o forte odor liberado pode ser justificado pelo ecossistema e não pelo mau condicionamento dos resíduos.
Foto: http://www.arq.ufsc.br/arq5661/trabalhos_2004-2/palafitas/favela.htm
Favela da Maré, Parque Roquete Pinto: Surgiu através de uma série de aterros realizados pelos próprios moradores, a partir de 1955, às custas do manguezal. O processo de urbanização sumiu aos poucos com as palafitas e deu lugar a domicílios de alvenaria.
Matéria em que se mostra os desafios do manguezal em Guaratuba e a construção de um iate club e marina com licenciamento ambiental e autorização da prefeitura.

Em Cubatão já foram detectadas no passado 320 fontes poluidoras do ar, da água e do solo. Lançavam-se 64 toneladas de poluentes por dia nas águas do mangue, incluindo 4.000 quilos de metais de difícil dissipação na natureza, como mercúrio, cromo e zinco. O despejo é hoje 5% do que era. Devido aos gases e aos despejos da indústria química ali instalada, a região era considerada nos anos 80 um dos lugares mais poluídos do mundo. Mas o mangue que o homem poluiu e arrasou com as dragagens renasceu nesses últimos 10 anos (em que houve diminuição significativa da poluição) transformado num grande viveiro para mais de oitenta espécies de aves aquáticas, algumas delas vindas do Hemisfério Norte.  Fonte: Veja Dez/2000 , Os Guarás Vermelhos viraram principal atrativo turístico, leia mais em Virtude.
Carnicicultura e pesca de arrasto
A carcinicultura arrasou o litoral africano e vem destruindo a costa da América do Sul. No Brasil, a atividade está proibida em manguezais sem ter licenciamento, pois além do desmatamento a atividade utiliza muitos biocidas para evitar a invasão de algas e moluscos nas “gaiolas” dos camarões. Já a pesca predatória, como a de arrasto, além de acabar a fauna marinha capturada, que não é aproveitada pelos pescadores, revolve o solo e destrói a fonte de recursos dos pescadores artesanais.

Atividades portuárias e industriais
As atividades mais destrutivas aos manguezais brasileiros são as industriais e portuárias. Indústrias frequentemente se localizam perto de rios e manguezais para descartar os resíduos produzidos (principalmente tinturas e metais pesados). Tal descarte deveria ser tratado e controlado, porém não é o que acontece. Já os portos necessitam de águas calmas para o atracamento dos navios, estes locais geralmente são baías, onde há manguezais. Os impactos causados pela presença de portos incluem a contaminação da água e dos animais (por resíduos, água do lastro e outros), a possibilidade de doenças trazidas de outros locais e o estresse por ruídos e poluição do ar.

Matéria falando sobre os mangues do litoral norte em Ubatuba, São Sebastião e Ilhabela. Pessoalmente fiquei muito triste ao conhecer os mangues de São Sebastião pelo abandono e quantidade de lixo, e de Ilhabela por estar desaparecendo cada vez mais, para dar lugar a praias, marinas etc. É possível observar um pedaço de ambos ao atravessar o canal de São Sebastião de balsa, pela entrada de pedestres.

24 de julho de 2014

Chinelos velhos viram brinquedos na África e já tiraram mais de 400 toneladas de lixo do Oceano

Desde que a conservadora marinha Julie Church criou a ONG Ocean Sole, todo lixo retirado das praias - principalmente chinelos de borracha - é transformado em brinquedos, bijuterias e objetos de decoração

Faz tempo que nossos oceanos foram transformados em depósitos de lixo. Plásticos, papéis, borrachas e outros materiais são jogados nos rios, lagos e mares e afetam os ecossistemas, contaminando a qualidade da água que consumimos e matando os animais, só para citar alguns problemas.

Tem gente que pensa que tudo isso está muito longe de afetar a sua vida, mas não está não! Pensando nisso e inconformada com a quantidade de lixo encontrada nas praias do Quênia, país onde nasceu, a conservadora marinha, Julie Church, incentivou um grupo de mulheres que vivem na região costeira a produzir coloridos brinquedos para a criançada a partir de chinelos descartados e esquecidos pelos banhistas.

O tempo passou, a equipe cresceu - vários homens também se juntaram ao grupo - e além dos brinquedos, começaram a fazer esculturas gigantes, bijuterias e objetos de decoração e a vendê-los no mundo inteiro com a marca da ONG Ocean Sole. Com isso, os moradores locais ganharam uma boa fonte de renda e tiraram das praias cerca de 400 mil quilos de borracha por ano. Já imaginou? Por causa da iniciativa da Julie, a vida da população local mudou para melhor. Isso prova que qualquer pessoa pode fazer a diferença onde quer que esteja.

Maureen Atineo, que faz parte do projeto que reúne cerca de 100 pessoas, disse que, antes, ela e a família passavam fome. É o caso de Eric Mwandola, que também viu sua vida mudar radicalmente depois que começou a reciclar os chinelos, há seis anos. Eric conta que não conseguia comprar sapatos para ir trabalhar "hoje não falta comida, nem roupa e as crianças ainda vão à escola".

Tem mais um detalhe bacana: por conta do treinamento que recebem, todos os participantes da Ocean Sole se tornaram mais conscientes com relação ao meio ambiente. Os organizadores da ONG acreditam que, ao aprender sobre a importância da biodiversidade marinha e da reciclagem, as pessoas envolvidas se tornam mais responsáveis por suas vidas e pelo ambiente em que vivem.

Jackson Mbatha, artista que também recicla os chinelos, diz que a educação é a coisa mais importante que a ONG promove: "Meu segundo filho está aprendendo a trabalhar com esse material e parece bastante interessado em ajudar o meio ambiente, assim como eu".








Fonte: Meu planetinha e Razões para Acreditar

Política de Direitos Autorais

Este blog respeita os direitos autorais e busca citar sempre as fontes de onde foram retirados os textos e imagens. Peço a gentileza que avisem caso ocorra alguma violação dos direitos autorais.